Propomos concentrar artigos, de autores diversos, (postados na internet, revistas ou livros) com vista a reunir num mesmo lugar o que está espalhado por ai. A intenção-maior, ao reunir as manifestações de ideias que este Blogueiro se identifica, é compartilhar o conhecimento, enfatizar o senso comum que preza pelo amor a Deus e ao próximo, que valoriza a vida humana e tudo que compõe nosso espetacular ecossistema. Não há objetivo comercial nisso. Blog principal: Belverede.

Translate

Research | Pesquisar artigos de Cosmovisão

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Reinaldo Azevedo: que fetos humanos sejam protegidos pelo Ibama tal qual são os ovos de tartaruga


Tartarugas são animais protegidos, como sabemos. Eu aposto que há mais ONGs empenhadas em salvá-las do que entidades dedicadas ao combate ao aborto. Mas não são apenas as tartarugas nascidas que estão sob tutela. Não! Não só é proibido comer a carne do bicho como também é proibido se alimentar de seus ovos, hábitos de várias comunidades no Brasil que foram postos na ilegalidade.

Se alguém argumentar que um ovo de tartaruga ainda não é uma tartaruga, será tomado por idiota ou cínico. Porque é certo, salvo algum evento da natureza, que, lá vem um quase-poema concreto, no ovo está o novo que renova o velho.

Por alguma estranha razão que ainda não foi suficientemente explicada — e não há um só abortista que tenha conseguido fazê-lo — há quem considere que o “ovo” humano não contém o humano.

Dona Eleonora comparou um aborto a uma infecção, ao vírus da AIDS, ao crack. A imoralidade dessa gente me obriga a animalizar o humano para protegê-lo de certos humanos. Que o feto da nossa espécie ganhe o status de um ovo de tartaruga!

Que o Ibama cuide dos fetos do Homem, já que os humanistas de Dilma o consideram um vírus a ser combatido por políticas públicas!

Leia também: Antes de abrir a boca para defender o aborto...


Reinaldo Azevedo: que fetos humanos sejam protegidos pelo Ibama tal qual são os ovos de tartaruga

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Select the language